Canal do Youtube

Dicas Úteis


Controle Integrado das Pragas

                             

 

                   Na atualidade, não podemos continuar insistindo no erro de combater cada praga de forma separada e independente, sob pena de em pouco tempo nos deparmos em nossos olivais, com situações hoje enfrentadas na cultura da soja, do algodão, da uva e de tantas outras cultivares vítimas de manejos inadequados.

 

                   A natureza, ou mais especificamente falando, o nosso ecossistema ( o olival ), é dotado de um intrincado sistema, onde ao natural, tem a incrível capacidade de regeneração, retorno ao equilíbrio, síntese de elementos e transformação de outros tantos.

 

                   O problema é quando violamos esse sistema em equilíbrio e tentamos, de forma desordenada e sem critérios, forçar processos não naturais, de maneira não só artificial, bem como em ritmo acelerado, sempre na busca de uma otimização dos processos produtivos. 

 

                  Dificultando ainda mais a manutenção de todo esse complexo, por meio da monocultura, terminamos por eliminar todo e qualquer ser vivo que não esteja elencado no rol dos " desejáveis para a cultura", acabando assim com uma das  funções primordiais de manutenção do equilíbrio, ou seja, a variação de seres e elementos.

 

                   Quando implantamos um pomar, seja ele de oliveiras ou mesmo de outra frutífera, terminamos por receber informações prontas e acabadas do que pode e não pode, do que é bom ou ruim para a cultura, sem ao menos questionar, analisar e principalmente experimentar.

 

                   Ao implantarmos um olival, devemos em primeiro lugar ter a noção de que iniciamos um investimento para várias gerações da nossa família, logo, todo o investimento em adubo, conservação, manutenção de todo o agrossistema, não será perdido, pois não temos um prazo de meses para o seu uso, como ocorre nos cultivos anuais.

 

                  Assim, o planejamento de como iremos combater eventuais pragas, ao certo, deverá ser pensado muito antes da implantação do olival, uma vez que, dependendo das variáveis de cada propriedade, grandes erros já poderão ser evitados com planejamento prévio, mesmo antes do plantio da primeira muda de oliveira.

 

                  Com a revolução agrícola, fomos induzidos a pensar e aceitar como certo, pacotes de tecnologia produtiva que pregavam normas básicas e gerais, como as únicas possíveis para a obtenção de grandes resultados. Com isso, incontáveis materiais genéticos, constumes regionais, e alternativas de produção foram perdidas.

 

                   Por algum tempo tal situação se sustentou, sempre na dependência de sementes mais fortes, toxinas mais eficientes e adubos mais reativos, mas hoje, não é mais segredo que tal sistema sucumbiu ao poder de adaptação da natureza.

 

                  Darwin, quando traçava seus estudos sobre a seleção natural, já havia dito que " não seriam os seres mais fortes os sobreviventes, mas sim os de maior capacidade de adaptação".

 

                   Atualmente analisamos tal afimação como uma verdade inquestionável, não há, com toda a técnica existente, como o homem superar a capacidade do meio em buscar alternativas de proteção e manutenção da sua espécie, seja por meio da regeneração, mutação, da simbiose com outros indivíduos e tantas outras maneiras de despistar qualquer tipo de controle externo.

 

                   Prova da veracidade de tais afirmações, analisamos hoje o difícil controle das diversas lagartas da soja, ou, mais específico ao nosso caso concreto, o incontrolável avanço da mosca da oliveira no mediterrâneo.

 

                   Hoje estamos diante da incontestável certeza de que não dispomos de conhecimento técnico, não dispomos de tempo e não temos os recursos necessários para rapidamente erradicar, com segurança, toda essa gama de "pragas".

 

                   Mas num estudo um pouco mais aprofundado dessas citadas pragas, vamos analisar em um passado recente, que tais insetos, ervas ou mesmos ácaros, sempre fizeram parte do mencionado sistema equilibrado ( ecossistema local ). O que surgiu de diferente, para alterar tal sistema em equilíbrio, certamente foi o homem, com algum tipo de cultivo ou criação, normalmente potencializado em manejo intensivo, o que facilitou, bem como acelerou um processo de milhares de anos de evolução desta referida praga.

 

                  Nós fomos os responsáveis pela rápida evolusão dos problemas hoje analisados, mas não temos igual capacidade agora, de reverter o problema.

 

                   A física já explica que gastamos muita energia para tirar uma corpo do seu repouso, mas depois de iniciado o movimento, tudo torna-se mais fácil, é o princípio da locomotiva de um trem. Hoje, não sabemos como frear o trem que nós mesmos colocamos em movimento!

 

                  Desta forma, a empresa Bosque Olivos, busca através da realização de novos experimentos, alternativas de condução do olival, mas numa visão de manejo integrado, onde cada atividade é interligada e diretamente dependente das demais, num princípio básico de ação e reação, visando com isso, não só a manutenção do controle das mencionadas pragas, mas principalmente, um retorno ao equilíbrio natural de todo o agrossistema.

 

                 Entendemos que uma das formas mais eficientes de viabilizar o processo produtivo de um olival, é tentar manter uma sintonia de atuação das rotinas da cultura, com o meio ambiente local, conseguindo-se assim, que muitos dos elementos ateriomente definidos como estranhos e indesejáveis, passem, num segundo momento, a ser encarados como parceiros vitais de todo o sistema produtivo.

 

                      Tales M. Altoé

                        ( Bosque Olivos)


Eclosão da postura da traça da oliveira
Fechar Próxima Anterior

Eclosão da postura da traça da oliveira

Lagarta da traça da oliveira
Fechar Próxima Anterior

Lagarta da traça da oliveira

Mariposa da traça da oliveira com ovos
Fechar Próxima Anterior

Mariposa da traça da oliveira com ovos

Cochonilha H
Fechar Próxima Anterior

Cochonilha H

Cochonilha marrom
Fechar Próxima Anterior

Cochonilha marrom

Cochonilha farinhenta
Fechar Próxima Anterior

Cochonilha farinhenta

Postura traça da oliveira
Fechar Próxima Anterior

Postura traça da oliveira

Algodão Grécia
Fechar Próxima Anterior

Algodão Grécia

Algodão Turquia
Fechar Próxima Anterior

Algodão Turquia

Ataque Percevejo
Fechar Próxima Anterior

Ataque Percevejo

Ataque de Fungo
Fechar Próxima Anterior

Ataque de Fungo

Ataque de fungo2
Fechar Próxima Anterior

Ataque de fungo2

Fruta atacada pela lagarta
Fechar Próxima Anterior

Fruta atacada pela lagarta

Esconderijo da lagarta da traça da oliveira
Fechar Próxima Anterior

Esconderijo da lagarta da traça da oliveira

Frutos atacados pela lagarta
Fechar Próxima Anterior

Frutos atacados pela lagarta

Lagarta jovem
Fechar Próxima Anterior

Lagarta jovem

Nascimento das lagartas da traça da oliveiras
Fechar Próxima Anterior

Nascimento das lagartas da traça da oliveiras

Repilo na Turquia
Fechar Próxima Anterior

Repilo na Turquia

Repilo na Turquia2
Fechar Próxima Anterior

Repilo na Turquia2

Início da podridão radicular
Fechar Próxima Anterior

Início da podridão radicular

Evolução da podridão radicular
Fechar Próxima Anterior

Evolução da podridão radicular





+ dicas

00000

Bosque Olivos | Estação Experimental de Pesquisa | Cultivo Agronatural de Oliveiras | Cachoeira do Sul / RS | (51) 99591045