Canal do Youtube

Projetos


Produção de Biofertilizante e BioinseticidaProdução de Biofertilizante e Bioinseticida

 

              Dando continuidade aos propósitos de desenvolver uma agricultura de conservação, a empresa Bosque Olivos aprofunda os trabalhos de pesquisa na Condução e Produção Integrada do Olival, com o propósito de relacionar diversas áreas de atuação, proporcionando resultados positivos no âmbito social, econômico e ambiental!

              Traduz preocupações crescentes a nível do impacto ambiental, pelo uso excessivo dos pesticidas com elevada toxidade para o homem e agressividade no ecossistema. Buscamos assim uma utilização racional e equilibrada de todos os meios de luta disponíveis para reduzir os prejuízos causados pelos inimigos das culturas.

                 Atualmente, a agricultura de conservação é reconhecida não somente por prover a proteção do meio ambiente, mas também por ser uma das principais estratégias para promover o controle mais eficiente de pragas e doenças nas lavouras, incrementar a fertilidade do solo, propiciar à conservação do solo e da água, evitar problemas de erosão, entre muitos outros.

               É um  processo de luta contra  os  organismos nocivos utilizando um  conjunto de métodos  que satisfaçam as  exigências econômicas, ecológicas e toxicológicas e dando carácter prioritário às ações, fomentando a limitação natural dos inimigos das culturas e respeitando os níveis econômicos de ataque.

 

                Nesse novo conceito de gerenciamento produtivo do olival iniciamos os trabalhos de produção, aplicação e avaliação de compostos biofertilizantes e bioinseticidas.

 

                     Biofertilizante é o subproduto da biodigestão e é de extrema importância como o próprio biogás. Propicia uma resposta mais rápida que os fertilizantes de solo, pois já encontra-se numa formulação mais metabolizada, o que favorece a uma rápida absorção via foliar ou solo.

                   É uma  substância que contém  microorganismos vivos  que, quando aplicados  em sementes, superfície  da planta, ou solo, coloniza a rizosfera ou o interior da planta e promove o crescimento da mesma pelo aumento da disponibilidade (P) e suprimento de nutrientes (N), ou aumentando o acesso aos nutrientes pela planta (maior superfície radicular).

                    Já os bioinseticidas são formulados orgânicos que concentram a produção de bactérias denominadas entomopatogênicas, o que significa que são patogênicas (nocivas) apenas contra os insetos, sendo totalmente inofensivas aos outros organismos - plantas, animais e seres humanos, o que favorece o equilíbrio biótico de todo o pomar.

 

                     Os biocompostos produzidos no experimento tem como caractarísticas principais:

 

# tem na sua composição organismos vivos;

#  realizam a nutrição equilibrada das plantas, bem como promovem a indução de resistência frentes às doenças;

#  potencializam os anticorpos naturais das plantas;

#  a fermentação possibilita a pronta absorção dos nutrientes pelas plantas;

# os biofertilizantes não causam a salinização do solo;

#  possibilitam a auto-suficiência da propriedade no tocante a fertilização;

# favorecem o equilíbrio contínuo e futuro do solo, pois agregam adubos que entraram num ciclo longo de adubação;

 

 

 

                 Os experimentos  de aplicação serão  feitos via solo com um  novo distribuidor de  biofertilizantes líquidos, bem  como com aplicações via foliar com atomizador, em diferentes concentrações e intervalos entre aplicações, buscando-se assim o melhor e mais eficiente resultado.

 

                    Hoje, o manejo fitossanitário de pragas e doenças no campo é um dos assuntos mais importantes e também polêmicos na agricultura. Embora muitos sejam totalmente contra a aplicação de pesticidas nos alimentos, é fato que sua utilização é fundamental para a produção de alimentos em larga escala (Ragsdale, 1999). Muitas das contaminações ambientais causadas por pesticidas na agricultura se deve à sua má utilização, que causa não somente malefícios ao meio ambiente como também ao bolso do produtor com o desperdício de produto. O manejo integrado de pragas e doenças, mais conhecido por MIP, consiste em uma das principais estratégias para fazer um uso consciente de pesticidas na agricultura, melhorando a eficiência de controle, reduzindo as aplicações de pesticidas e aumentando os lucros do produtor (Flint and Van den Bosch, 2012).

 

                      Buscamos através do presente experimento fechar o ciclo produtivo da propriedade, sem a geração de rejeitos ou resíduos, com um melhor aproveitamento de todos os componentes químicos das atividades ali desenvolvidas, propiciando assim um melhor equilíbrio nutricional e fitosanitário ao olival, conseguindo-se assim uma grande economia no final de todo o processo produtivo!

 

                      O objetivo principal do presente estudo é viabilizar o reaproveitamento e a reciclagem de nutrientes na propriedade, reduzindo ao máximo a aplicação de produtos químicos externos, sejam na forma de  de adubos, inseticidas ou fungicidas, conseguindo-se assim um produto final mais limpo, econômico e socialmente de acordo com as boas práticas de uma agricultura moderna e de conservação!

 

  Tales M. Altoé

( Bosque Olivos)

 

 

 


Foto 1
Fechar Próxima Anterior

Foto 1

Foto 2
Fechar Próxima Anterior

Foto 2

Foto 3
Fechar Próxima Anterior

Foto 3

Foto 4
Fechar Próxima Anterior

Foto 4

Foto 5
Fechar Próxima Anterior

Foto 5

Foto 6
Fechar Próxima Anterior

Foto 6

Foto 7
Fechar Próxima Anterior

Foto 7



+ projetos

00000

Bosque Olivos | Estação Experimental de Pesquisa | Cultivo Agronatural de Oliveiras | Cachoeira do Sul / RS | (51) 99591045