Canal do Youtube

Projetos


ROCHAGEM (Remineralização do Solo)ROCHAGEM (Remineralização do Solo)

                 

                             A Bosque Olivos firma uma nova parceria, com a empresa Silmag, no sentido de aplicar e acompanhar os efeitos do pó de rocha no desenvolvimento e manutenção dos níveis de fertilidade no olival, sempre na busca de novos caminhos e inovadoras propostas que  possibilitem um resultado mais sustentável ao produtor, no aspecto ambiental, bem como na rentabilidade econômica da atitividade.

 

                        A Rochagem é definida como uma prática agrícola de incorporação de rochas e/ou minerais ao solo, sendo a calagem e a fosfatagem natural casos particulares desta prática (LEONARDOS, et. al., 1976). A Rochagem também é considerada como um tipo de remineralização, onde o pó de rocha é utilizado para rejuvenescer solos pobres ou lixiviados. Fundamenta-se, basicamente, na busca de equilíbrio da fertilidade, na conservação dos recursos naturais e na produtividade naturalmente sustentável (THEODORO 2001)

                             Pesquisas tem mostrado que a rochagem permite a correção das mais diferentes deficiências nutricionais de solos tropicais exauridos e intemperizados. As rochas ígneas, entre ela o basalto, formadas por diversos minerais silicatados, representam uma rica reserva destes nutrientes, disponibilizável quando o solo for vivo. As rochas utilizadas podem ser in natura ou semi-intemperizadas, podendo  sofrer processos de britagem, moagem e até mesmo separação. Além de sílica, elas contém um elenco de cerca de 60 a 70 elementos químicos, entre micro e macro nutrientes, além dos oligoelementos úteis.

 

Caracterização Agronômica da Rochagem - Silmag

 

                    A prática da Rochagem, isto é, o uso de pós-de-rocha na agricultura é bastante antiga e tem a função de nutrir os ciclos biogeoquímicos dos solos, especialmente em regiões tropicais, onde a perda dos nutrientes do solo é rápida e elevada.

                  A atividade agrícola, bem como a pecuária, retiram do solo quantidades variáveis de nutrientes minerais. Além disso, ocorrem perdas por erosão e lixiviação. A adubação mineral tradicional (NPK + calcário) tem como foco principal repor apenas os “nutrientes” considerados essenciais às plantas, desconsiderando o papel da macro, meso e micro flora e fauna do solo.

                 Diversos estudos científicos confirmam que a atividade microbiana de um solo é o parâmetro mais sensível e confiável para se aferir  sua qualidade e fertilidade.

                  A baixa solubilidade inicial do Serpentinito, ao contrário do que se prega na agricultura tradicional, é a grande vantagem dos pós-de-rocha, desde que, como é o caso, a atividade microbiana do solo consiga uma solubilização gradual e constante dos nutrientes para aproveitamento por parte da planta. Desta forma a eficiência da nutrição é bem maior do que quando se utilizam os fertilizantes muito solúveis.

                   O Serpentinito é uma rocha metamórfica formada principalmente por minerais do grupo serpentina: a Antigorita e a Lizardita. É formado pelo metamorfismo hidrotermal de Peridotito, uma rocha do manto terrestre.

                  Para a agricultura o Serpentinito e moído finamente de forma que a superfície de contato do pó-de-rocha com o solo permita uma reação mais rápida, porém gradual. Quimicamente o serpentinito e uma rocha que se caracteriza pela alta concentração de MgO, em torno de 20% e do SiO2, em torno de 45%. Existem ainda pelo menos outros 36 minerais em pequenas quantidades nessa rocha.

 

 

Recomendações de Uso

 

                        O uso do Serpentinito é indicado em situações em que se deseja revitalizar o solo após vários anos de cultivo ou pastoreio, quando muito foi extraído dele. Também é muito útil seu uso em áreas onde se aplica Gesso com frequência ou calcário com baixos teores de Magnésio.

 

 

Principais Benefícios do Serpentinito

 

  • Ativador Biológico e Re-Mineralizador de solos;
  • Condicionador do Solo;
  • Aumenta a CTC do Solo;
  • Aumenta o pH do Solo;
  • Neutralização de Alumínio;
  • Fonte de Magnésio e Silício em compostos organominerais;
  • Indução de Resistência (IRN);
  • Maior Produção de Fotoassimilados;
  • Equilibrar o sistema de bases do solo;
  • Fonte limpa, natural e equilibrada de Silício solúvel;
  • Melhora a qualidade dos frutos.

 

 

Indicações

 

AGRICULTURA: 1-3 Toneladas/ha. Aplicar antes do Plantio.

FRUTICULTURA: 1-3 Toneladas/ha. Aplicar antes ou após o plantio.

HORTICULTURA: 300-500 g/m2. Colocar antes do plantio. Ideal 1 mês antes.

COMPOSTAGEM: 10-15% da quantidade de matéria orgânica em seu composto.

 

 

 

Contato:

Ricardo Serpa (41) 99911-1574 tim/whatsapp

                         (41) 99242-1315 vivo

 

 

Composição Química

Nutrientes

%

SiO2

45,8

MgO

25,3

Fe2O3

8,1

Al2O3

7,6

K2O

1,2

NiO

0,3

Cr2O3

0,3

TiO3

0,3

CaO

0,2

Na2O

0,2

MnO

0,1

Cl

<0,1

P2O5

<0,1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                       

 

 

 

 

 


Foto 1 - Vista aérea da mina
Fechar Próxima Anterior

Foto 1 - Vista aérea da mina

Foto 2 - Vista da mina
Fechar Próxima Anterior

Foto 2 - Vista da mina

Foto 3 - Imagem do mineral
Fechar Próxima Anterior

Foto 3 - Imagem do mineral

Foto 4 - Granulometria do pó de rocha
Fechar Próxima Anterior

Foto 4 - Granulometria do pó de rocha



+ projetos

00000

Bosque Olivos | Estação Experimental de Pesquisa | Cultivo Agronatural de Oliveiras | Cachoeira do Sul / RS | (51) 99591045